Tv espinha de peixe News

Maioria dos impeachments de Michel Temer tem como base áudio sobre Eduardo Cunha


Maioria dos impeachments de Michel Temer tem como base áudio sobre Eduardo Cunha
Foto: Lula Marques/Agência PT
O áudio que revela uma conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista embasa oito dos nove pedidos de impeachment já protocolados na Câmara dos Deputados. O trecho mais utilizado nos embasamentos é o que Temer dá aval para pagamento do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. O perito Ricardo Molina, contratado por Michel Temer, diz que o áudio é inconclusivo. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) deve protocolar o pedido de impeachment de Temer na quinta-feira (25), e diz que seu pedido se difere dos demais por ser “técnico e responsável” (clique aqui e saiba mais). A petição não é embasada no áudio, e sim no trecho em que Joesley diz ter comprado juízes e procuradores para escapar das investigações. Para a Ordem, os fatos podem ser classificados como “prevaricação e crime de responsabilidade”. O próprio Temer confirmou a conversa, mas disse que não tomou nenhuma atitude por não ter acreditado na conversa de Joesley. Ainda há uma discussão se o áudio sofreu edição. A Procuradoria Geral da República (PGR) enfoca a denúncia no fato de um interlocutor indicado pelo presidente, Rodrigo Rocha Loures, ter sido flagrado com uma mala com R$ 500 mil, propina da JBS.  O inquérito da PGR ainda é embasado em 15 elementos sobre a conduta de Temer. O único pedido de impeachment que cita o recebimento de valores por Loures é do deputado João Gualberto Vasconcelos (PSDB-BA). Segundo o Jornal F. de São Paulo, o sentimento na Câmara é de que não há qualidade nos pedidos de impeachment, e dificilmente um pedido venha prosperar, primeiramente, pois a abertura do afastamento depende da aprovação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Se ele se recusar a apreciar os pedidos, a oposição pode recorrer ao plenário da Câmara, que também coloca a decisão nas mãos de Maia, por ser quem define a pauta de votações. Se o governo não conseguir aprovar nenhuma matéria nesta terça-feira (23) na Câmara, como as reformas, demonstrará que Temer não terá forças para governar. 

Nenhum comentário