QUAL O NOME VERDADEIRO DE JESUS? - CLIK NA IMAGEM AQUI...

domingo, 25 de março de 2018

Barroso desarquiva processo que investiga irregularidades de Temer no porto de Santos


Barroso desarquiva processo que investiga irregularidades de Temer no porto de Santos
Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o desarquivamento do processo que investigou supostas irregularidades do presidente Michel Temer no porto de Santos. O "inquérito Santos" foi arquivado em 2011 por falta de provas. Agora, as informações da investigação serão enviadas ao Ministério Público para serem analisadas em uma apuração em curso cujo objeto é o decreto presidencial assinado por Temer em 2017, que teria eneficiado uma empresa da área portuária em troca de propina. De acordo com o Blog da Andréia Sadi, no G1, a Polícia Federal pediu ao STF em dezembro do ano passado uma cópia da investigação anterior, porque pode apontar um caminho promissor para o inquérito atual. Isso proque as mesmas pessoas que são investigadas agora foram alvo da investigação anteiror. A PF quer saber se as empresas que atuam no porto de Santos pagaram propina naquela época e se continuaram pagando ao longo do tempo. No inquérito de 2011, há uma tabela com título "Parcerias realizadas, concretizadas e a realizar", com nomes de empresas que administram áreas no porto de Santos, como a Rodrimar, ao lado de iniciais como "MT" e valores. As letras, segundo os investigadores, podem fazer referência a Michel Temer, que pode ter recebido repasses de R$ 300 mil e R$ 200 mil para campanha. Há também iniciais "MA" ao lado de R$ 150 mil e a letra "L" ao lado de R$ 150 mil. Neste último caso, a desconfiança é que seja uma referência ao coronel João Baptista de Lima Filho, amigo de Temer, também investigado. Ele tem alegado problemas de saúde para não prestar depoimento. Nesta investigação do decreto, o ministro Luís Roberto Barroso já autorizou a quebra de sigilo bancário do presidente. O Palácio do Planalto e a defesa do coronel Lima Filho não se manifestaram. Já a defesa de Temer disse que não teve acesso ao conteúdo do inquérito arquivado, portanto, vai aguardar que o material seja anexado aos inquérito dos portos antes de se pronunciar.